Insegurança frente a prova: como encará-la?

Psicóloga Caroline Maria Nunes

Por:

Caroline Maria Nunes

O período que antecede a prova costuma gerar insegurança e pode colocar em dúvida a autoconfiança, visto que, a prova costuma suscitar sentimentos de autocobrança, que podem ser advindos do externo (sejam amigos, familiares, pessoas próximas) e também das próprias expectativas internas (“eu deveria”, “eu poderia” e “se eu tivesse feito dessa forma”), que reforçam o sentimento de dívida consigo mesmo e de arrependimento pelo que fez e da forma como o fez em situações de reprovação. 

Na minha experiência profissional, reconheço o quanto a autocobrança é um sentimento presente em nós enquanto seres humanos e neste caso, principalmente quando se trata de pessoas que estão passando por uma situação de avaliação. Com as exigências sociais em ter que ser bem-sucedido, nos isentamos da possibilidade de falhar, faltar, frustrar e decepcionar (a si e ao outro). Se livrar das amarras da autocobrança é um exercício diário e necessário a nossa saúde mental. 

Por ser um momento em que você possa estar se sentindo mais fragilizado(a) e vulnerável, pode ser constante a presença de sentimentos auto sabotadores, tais como se sentir incapaz, achar que não irá conseguir obter a aprovação desejada e consequentemente se culpar por estar se sentindo assim. O medo de “não conseguir” e do julgamento também pode ser um fator presente, que quando não vistos, podem se tornar paralisantes. 

Reflexões necessárias

É unânime entre muitos alunos, a sensação de que quanto mais estudam, menos parecem saber ou lembrar de todo o conteúdo, gerando ainda mais ansiedade e cobrança em relação a si mesmo. O sofrer por antecedência, suscita no aluno diversas fantasias em relação a prova, gerando medo e temor. E muitas vezes, o que faz com que o medo apareça é quando estamos frente ao desconhecido.  

Entretanto, é importante de se fazer o seguinte exercício reflexivo: 

  1. A vida não se trata de arriscar?  
  1. Quantas avaliações você já enfrentou em sua vida? 
  1. Será que a prova será mesmo desconhecida?   
  1. Qual avaliação subjetiva você faz sobre você mesmo(a)? 

As inseguranças fazem parte da nossa vida e elas fazem nos questionar sobre as nossas escolhas. É natural se sentir inseguro frente a momentos importantes que representam uma transição, mas lembre-se”: 

“Essa não é a primeira e nem a última avaliação da sua vida”.  

A vida é feita por desafios, a todo momento somos lançados a situações novas que nos exigem coragem. 

E quais os motivos da insegurança?

O que está por trás da insegurança pode ser um medo, por exemplo medo de ser rejeitado, medo de que as coisas não deem certo. Uma pessoa insegura, tende ao pessimismo, porque está sempre esperando a reprovação e preparando-se para este momento, que evita a todo custo, o que a faz paralisar.  

Por isso, se certifique que, você deve e pode se cercar de pessoas que acreditem em você. Mas lembre-se: 

A pessoa mais importante que precisa acreditar na sua capacidade e potência é você mesmo. Você não precisa dar conta de tudo, mas saiba que você é capaz de dar conta daquilo que às vezes se subestima e duvida que seja possível alcançar.  

A insegurança nos impulsiona a voar, mas quando esse voo é impedido pelo medo de frustrar-se a ponto de paralisar, será o momento em que teremos que buscar por ajuda especializada de um psicólogo.  

Com carinho, psicóloga Caroline Maria Nunes. CRP 07/28381 

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunas Relacionadas

Posts relacionados

Skip to content